quarta-feira, setembro 15, 2010

As minhas férias

Há cinco anos um casal amigo resolveu emigrar para a Bélgica/Holanda, e desde aí temos tido muitos convites para os visitarmos.
Por um motivo ou por outro nunca deu, mas este ano fez parte dos nossos objectivos irmos, e que boa decisão tomámos.

Foram 11 dias intensos, que tentarei partilhar aqui as coisas que mais me marcaram.

Dia 1 – Porto – Eindovhen / Antuérpia

Voo madrugador para Eindovhen onde o nosso amigo nos foi receber.
Ficámos com o carro e rumámos à descoberta.
Antuérpia foi o destino, é uma cidade bonita, ainda com muitos vestígios históricos e culturas diferentes.
Foi interessante ver os judeus ortodoxos com os seus caracóis ao lado das orelhas e fatos típicos a circularem ao lado de turcas com os seus véus.
Uma cidade com fortes ligações à península ibérica, e onde encontrámos um edifício com pormenor dedicado à fertilidade.


Dia 2 – Gent
Uma das cidades que não eu não tinha previsto visitar, mas o outro viajante andou a pesquisar.
Cidade com um centro histórico muito bonito.
Visitei o belfry que é Unesco e de onde se tem uma vista fantástica para o centro histórico.



Dia 3 – Beringer
Neste dia ficámos por “casa” ou melhor num raio de 30km.
Visitámos Beringer e o museu das minas de carvão da zona.
É incrível imaginar como trabalhavam aquelas pessoas.
A visita foi por um ex-operário e com pormenores muito detalhados. Foi impossível não pensar nos mineiros que ainda estão soterrados e irão estar até ao Natal.



Rumámos para Berlim.

Dia 4 – Berlim
Vistas fantásticas dos monumentos da ilha dos museus, mais património Unesco.
Alguma chuva que nos estragou o passeio por quase duas horas.
Visita ao museu do muro.
Jantar numa cervejaria típica.
Mojito num bar alternativo num dos edifícios abandonados que foram ocupados por artistas.


Dia 5 – Berlim e Potsdam
Visitas fantásticas, adorei Potsdam e foi com alguma desilusão que vi a área que o local ocupa e o que consegui visitar, decididamente precisaria de dois dias para ver tudo. Tenho de lá voltar: )))

Dia 6 – Kinderdijk
Os holandeses construíram mesmo cada pedaço de terra, e o Kinderdijk ajuda a ter uma ideia de como a coisa funciona.
Mais um local Unesco que acabei por gostar mais do que inicialmente previra, foi igualmente interessante ver como se vive nos moinhos, cada cm2 de espaço conta.
Regresso a casa pelo meio dos diques.


Dia 7 – Bruges
A minha preferida. Se por vezes ficamos divididos sobre o que gostámos mais, nesta viagem não tenho dúvidas the winner is Brugge.
Nesta cidade existem 3 locais património mundial: o beguinage (antigo complexo religioso frequentado por mulheres leigas que se dedicavam a ajudar os que necessitavam); o belfry ao qual não subi por achar demasiado caro; e o próprio centro histórico.
Adorei os recantos, a forma encantadora como as casas surgem nas margens dos canais.
A viagem de barco ajudou a ver pormenores que de outra forma passariam despercebidos.
Nunca pensei gastar tanto dinheiro em chocolates, que coisa linda de se ver. E ainda por cima óptimos, que maravilha.



Dia 8 – Bruxelas
Toda a gente brincava a dizer que Bruxelas era a Grand Place e pouco mais.
Uma colega até brincou “a pracinha”.
É de facto uma pracinha, bonita mas pequenita.
Visitámos ainda o menino “mijão” e a catedral. Adorei a catedral para mim foi a mais bonita, grandiosa mas com linhas simples e um ar muito lavadinho.




Dia 9 – Zaanse Sanch e Amesterdão
Uns dias antes da nossa partida e na sequência duma brincadeira combinámos encontrarmo-nos com uma menina da associação.
Ela fez um percurso e incluiu uma belíssima sugestão antes de irmos a Amesterdão: Zaanse Sanch.
Amesterdão é uma cidade enorme para se ver num dia, e muito menos numa tarde, mas ficámos com alguma ideia.
Da próxima teremos de ficar lá a dormir para aproveitarmos mais, já que fica muito longe do sítio onde ficámos.
Mais uma vez a viagem de barco foi fantástica.
Fiquei com pena de não ter podido conhecer a minha cicerone virtual, mas o marido estava doente. Espero que já se encontre melhor e quem sabe numa das próximas viagens nos possamos encontrar.

Dia 10 – Hasselt
Pois isto não há pés que aguentem, e por isso voltámos a ficar perto de casa.
Visitámos a capital da província dos nossos amigos, pena a chuva que não foi nossa amiga.



Dia 11 – Aachen / Dusseldorf-Porto
Como o regresso era pela Alemanha e aqui a menina queria muito ir a Aachen, eis que teve essa sorte.
Almoçámos numa esplanada, num belo dia de sol, e visitámos a cidade.

A catedral é de facto magnífica, muito imponente ainda que a precisar que lhe lavem a cara.
O regresso foi quase ao fim da tarde para Dusseldorf onde iniciámos o regresso.
Apesar da data (11 de Setembro) a viagem correu bem e até chegámos 20 minutos antes do tempo.

E pronto, quero lá voltar.
Visitar outras terras, rever estas dando atenção a outros pormenores para os quais não tivemos tempo ou “pés”.

1 comentário:

Pensamentos e Cª disse...

Gostei muito do relato e das fotografias!

Beijocas
Alexandra