sábado, maio 05, 2012

Da infertilidade à maternidade

A infertilidade bate-nos à porta de forma mais ou menos surpreendente.


Na maioria das vezes na sequência de várias tentativas de gravidez, mas algumas vezes devido a um problema de saúde sempre se soube da sua presença.
No meu caso não foi nenhuma destas situações.
Ainda nos encontrávamos a pensar em engravidar, a fazer os primeiros exames, quando a médica que me ia seguir decidiu fazer exames aos dois. Segundo ela, e devido a alguns problemas de saúde que eu já tinha, não devíamos perder tempo.
E foi assim que descobrimos que nem tudo estava bem para seguirmos com este projecto. Havia problemas de ambos os lados e tínhamos um longo período pela frente.


Foi em Outubro de 2005 que tivémos a primeira consulta, e em Abril de 2006 foi-nos dito que a melhor hipótese era a FIV. 
Nessa altura deram-nos 6 meses para ponderarmos se queríamos avançar.
Um ano após a primeira consulta, em Outubro de 2006 decidimos avançar, nem a estimulação hormonal feita nos 6 meses anteriores, nem as férias, o relaxamento trouxeram a tão desejada gravidez por isso tínhamos de dar o passo em frente.
Foi nessa altura que me debrucei sobre este incrível mundo novo. 
Criei o meu blog, com o intuito de desabafar sobre a minha caminhada, mas logo soube que não estava só. Aliás descobri a então API (Associação Portuguesa de Infertilidade) hoje APFertilidade e fui-me inteirando sobre o que me esperava.
Entretanto e como me foi diagnosticado um problema na tiróide, só em Maio de 2007 estaria em condições de iniciar o primeiro tratamento.
Tanta ansiedade, tanto pavor de agulhas, tanta fita para espetar a barriga.
E depois a 1ª ecografia, o receio de ver o tratamento cancelado, mas estava tudo a correr como pretendido.
Na 2ª ecografia, já mais relaxada vejo o meu tratamento cancelado. 
Foi um balde de água fria, afinal as dores que eu sentia eram sinónimo de hiperstimulação e uma vez que só tinha um folículo não iríamos avançar para a punção.


Passados 3 meses, já com o organismo limpo, julguei que iríamos iniciar o 2º tratamento, e fui confrontada com outro volte-face, ou fazia um drilling ovárico ou não poderia fazer mais tratamentos naquele hospital.
Entre a espada e a parede não hesitei, e em Dezembro de 2007 faria o drilling.


Iniciámos 2008 com esperança renovada, e o tratamento de Fevereiro estava a correr bem, a punção correu como previsto, mas no dia da transferência ligam-me para não ir à clínica. 
Pediram-me mais 24 horas, e no dia seguinte ligaram a dizer que afinal nem assim se deu a fecundação.
O nosso caso teve de ser avaliado em reunião de médicos, para decidirem se valia a pena continuarem a "investir" (foi esta a palavra transmitida) em nós.
E a decisão foi positiva, pelo que em Junho de 2008 fizémos novo tratamento. Desta vez com direito a punção e transferência, embora apenas dum único embrião um 4B.
Na véspera da beta fiz um teste em casa que antecipou o meu 1º negativo.


Novembro de 2008 mudámos a medicação e este mostra ser um tratamento com muitos folículos, mas já é velha a máxima que diz que quantidade não é qualidade.
Nunca foram tantos folículos puncionados, e para no final não se conseguirem aproveitar. Mais um tratamento que não chegou à transferência.
A médica decide marcar o novo e derradeiro tratamento para Março de 2009, e eu recuso-me.Estou cansada, muito cansada. 
Não consigo continuar a viver em função de tratamentos a cada 3 meses.
2008 foi um ano muito duro a esse nível e preciso de espaço e tempo para mim, peço para parar por 6 meses.


Retomaria os tratamentos em Julho de 2009, mais calma, com tratamento de acupunctura em paralelo.Foi o tratamento mais estranho que tive. 
Num dia parecia que ia ser cancelado, no outro o meu organismo decidia reagir.Houve punção, houve transferência de 2 embriões 6B, e houve desilusão no dia da beta (nossa e da médica, que estava convencida que aquele era O tratamento).
E foi o derradeiro tratamento naquele hospital, por ser o 4º (apenas se contam os que tiveram punção) tive alta nesse mesmo dia.


Após este novo negativo decidi marcar consulta no privado.
Adorei a forma como fui tratada e mais ainda os conselhos dados: pela minha idade ainda seria possível tentar de novo um hospital público, e que se o meu organismo tinha conseguido dois embriões no tratamento anterior então nada estava perdido.


Novembro de 2009 faço o pedido no 2º hospital.
Sou chamada em Fevereiro de 2010. 
Exames, análises, consulta de nutrição, consulta de psicologia...o tempo a rolar...Inicio o tratamento no dia 31 de Dezembro de 2010.
Quero acreditar que 2011 será o meu ano!
Nova medicação, resposta semelhante, mas consigo pela primeira vez um embrião de 8 células, e um de 5. Só o de 8 é transferido.
A beta mostra uma bioquímica e é-me dito para parar a medicação.A médica que me seguia diz que apenas posso fazer um tratamento, se for negativo terei alta.
Com outro médico consigo que o meu caso vá a reunião de médicos, afinal foi uma bioquímica...não um negativo.
Na consulta seguinte tenho a minha resposta: vai fazer mais um tratamento, mas apenas um! Seja qual for o resultado será o último.


Junho de 2011 começo o meu último tratamento. 
Evito pensar que poderá ser o último.A manutenção da mesma medicação do anterior dá-me alento, além disso sempre preferi tratamentos nesta altura do ano. Vai ser desta...Mas não foi, o único embrião que tive não podia ser transferido.
Estou com 38 anos, não me adianta tentar outro hospital público, pelo que no dia do cancelamento marco consulta para o privado. 


Passaram-se dois anos desde que tive alta do outro hospital e apenas fiz mais dois tratamentos, preciso de saber o que se segue.
Nisto da infertilidade, bem como noutras doenças, nem sempre os médicos sabem o que se passa. 
Nem sempre conseguem prever o que virá a seguir, nem quando e muito menos o porquê...
A 3 de Setembro de 2011 descubro que estou grávida, e sem ter feito qualquer tipo de tratamento.
Tanta luta, dor e investimento físico, emocional e financeiro para sem que nada o fizesse prever engravidar de forma natural.


2011 tornou-se o meu ano, não da forma como eu tinha previsto, mas de uma forma ainda mais deliciosa, não tivesse havido o sabor amargo de dois tratamentos sem sucesso.Seis anos após a primeira consulta estou grávida.


Os tempos de espera passam a ser outros, desta vez rumo à maternidade.Um dia de cada vez, pé ante pé, mas acreditando sempre que é possível.

Hoje tenho a minha filha comigo, terminaram os TEMPOS DE ESPERA.
Quer os tempos de espera para a gravidez, quer os tempos de espera para a maternidade.



Este blog cumpriu a sua missão. 
Servir de diário de bordo, ajudar-me a manter a cabeça à tona da água, desabafar e encontrar apoio numa caminhada que previ ser longa.
Mas, eis que chegámos ao fim.
Não faz sentido manter um blog que fala dos tempos em que esperamos obter algo.
Esse dia já chegou, foi o dia mais feliz da minha vida, e a cada dia que passa a felicidade aumenta.

Tenho um novo amor na minha vida, 50cm de gente, uma pluma de 3kg mas que enche os meus dias e noites e me faz dizer: valeu a pena.



O nosso dia-a-dia tem um novo Raio de Sol, que nos alegra os dias e aquece o coração.
Não esperamos mais.
Ainda que venhamos a esperar por um novo filho a meta foi atingida: sou mãe.

Sempre disse: vou ser mãe, só ainda não sei quando nem como.

Pois bem, Sou Mãe, desde o dia 5 de Maio que a minha vida ficou muito mais luminosa.



Brevemente darei a conhecer o meu novo blog, sim, porque a vida continua, as histórias também e 6 anos não se apagam da vida de ninguém.

4 comentários:

Maggie disse...

até já Amiga.

Mtas felicidades
Maggie

M. Oliveira - Creative Minds disse...

Olá,

gostávamos que nos ajudasse a divulgar o seguinte evento:
No dia 03 de Junho, a Praia da Torre, em Oeiras, irá acolher a Caminhada pela Fertilidade. Este é um evento integrado na iniciativa "Mexa-se na Marginal", promovido pela Câmara Municipal de Oeiras. O convite para participar na Caminhada pela Fertilidade é extensível a toda a população que queira aliar-se a esta boa causa. Para Cláudia Vieira, presidente da APFertilidade, "esta caminhada é uma acção simbólica para alertar a sociedade para a infertilidade e para o facto de existirem 300.000 casais portugueses que têm dificuldade em engravidar.

A Caminhada pela Fertilidade tem início às 09:30 com a entrega das t-shirts e sacos-mochila a todos os participantes, sendo que o saco estará recheado de surpresas. Além disso, na tenda da APFertilidade – situada junto à Praia da Torre, perto do Forte de São Julião da Barra – haverá muitas actividades gratuitas, como massagens, workshops de gravidez e puericultura e um rastreio de nutrição. A participação no evento é gratuita mas, por motivos logísticos, é necessária a inscrição prévia no site www.apfertilidade.org/eventos/2012.

C. disse...

Fiquei muito emocionada ao ler este post. Uma vez mais MUITOS PARABÈNS pela nova família. Desejo tudo de bom para esta nova história :).
Abraço.
C.

Anjinho disse...

linda história.
parabens e depois psota as fotos da pequena para nós vermos.