domingo, outubro 17, 2010

Caminhar em conjunto

Dificilmente conseguimos saber quando foi que desejámos ser pais.
Desde a mais terna infância que brincámos com bonecos, aos pais e filhos.
Outros de nós tivemos irmãos ou familiares mais novos que nos despertaram para o sentimento maternal/paternal.
Outros se calhar só sentiram esse “chamamento” quando encontraram a sua cara-metade.

A ideia de “quero ter um filho” por vezes desvanece-se no tempo sem que a consigamos situar.
Mas todos nos recordamos do dia em que nos cruzámos com a palavra Infertilidade.
Podem até não nos ter pronunciado a palavra, mas o conceito estava lá: “Dificilmente conseguirão engravidar”; “Sem a ajuda da medicina nunca terão filhos”…

Esse é um dia de muita solidão.
Os projectos que estávamos a tentar concretizar caem por terra, por tempo indeterminado.
Será que algum dia seremos pais? Quando poderemos tentar estas técnicas estranhas de que nos falam?
Depois pensamos que isto não nos está a acontecer, é a fase da negação.
A caminhada é longa e solitária.
Ainda que seja um sonho a dois, nem sempre estamos no mesmo registo. Homens e mulheres reagem de modos distintos.

Por outro lado há todos os “férteis” que nos cobram o filho. Para quando? Do que esperas? Não vão para novos…
Nem sempre conseguimos a oportunidade para nos abrirmos, para sairmos do nosso armário, para respirarmos de alívio por revelarmos o nosso “segredo”.

No dia que isso acontece sai-nos um peso de cima, mas até esse dia chegar carregamos o mundo às costas.
Quando nos é dada a possibilidade de encontrar casais que estão a passar pelo mesmo ganhamos forças renovadas.
Não somos os únicos.
Há quem nos compreenda.
Quem nos oiça.
Quem ouvimos e compreendemos, e ao fazê-lo crescemos.

Os grupos de apoio permitem esta troca de experiência.
Estamos entre iguais, sem juízos de valor, sem censuras.
Gente que como nós tem pedras no caminho que leva à meta.
Gente que como nós acredita que a meta será cortada.

O grupo de apoio do Porto faz dois anos.

Dois anos de caminhada, com muitos sonhos realizados, com sonhos destruídos e com muitos sonhos por concretizar.

«Juntar pessoas é um começo, ficarem juntas é um progresso e trabalharem juntas é um êxito» (Henry Ford)

Parabéns para nós!

3 comentários:

Maggie disse...

Que texto tão bonito! Fiquei de lagrimas nos olhos, tenho pena de não ser do Porto....

Beijinhos Angelica
Tudo de bom
Maggie

Lina disse...

É muito triste é verdade. Mas tb é certo que os grupos de apoio nos ajudam a ver as coisas com outros olhos.
Coragem minha linda. A Tua historia ainda não acabou e ainda vai a tempo de ter 1 final feliz.
Beijinhos.

Isa disse...

Parabéns ao grupo, pelos dois anos de existência!
Daqui a algum tempo, tenho a certeza de que terei novamente a oportunidade de ler este texto, mas com um final muito diferente! Será a síntese de tudo o que te aconteceu até ao dia em que tiveste o teu pequeno milagre nos braços!
Eu acredito!
Beijo enorme