quarta-feira, agosto 06, 2008

Fiquei furiosa

Hoje tive aqui a visita de uma ex-colega, que veio desencaminhar outra para o pequeno-almoço.
Do contacto que elas têm tido acho que ela sabe que estou a tentar ter um filho, ou pelo menos deve desconfiar porque desde 2004 que falamos nisso, e se for esperta já se pôs a fazer contas.

Ela foi mãe em Dezembro e regressou ao trabalho em Maio. O namorado é pai de 3 crianças cada uma de sua mãe…

- Então A. quando começas a fazer um filho?
- Começar? Mas eu já comecei há muito tempo, e com várias tentativas.
- Ai sim não parece…
- Pois estás enganada, andamos a aperfeiçoar a técnica. E tu já voltaste a fazer filhos?
- Estás maluca???? Sabes lá a trabalheira que é?
- A sério que não? Eu se fosse a ti não mantinha o homem à fome, aliás já foste mãe há 8 meses e qualquer dia ele ainda começa a procurar fora o que não tem em casa.

Claro que eu estava a desconversar apenas para o sexo, mas fiquei tão lixada da vida que tive de lhe dar troco…

5 comentários:

Praia disse...

Tiveste muito bem.
Beijokas e boa continuaçao...

Barriguitas disse...

Olá amiga,

parece que fomos de férias ao mesmo tempo, só agora consigo andar a actualizar as vossas últimas novidades.

Já sabes como está o processo no hospital? Espero que ainda consigas mais um ttt lá :)

Quanto à conversa das colegas também as conheço bem e tenho chegado à conclusão que quanto menos souberem melhor :))

Bjocas

Angel disse...

Amiguita respondeste mto bem!!! Bravo!
Esse tipo de pessoas merecem esse tipo de resposta!
Bj

Veruska disse...

Sabes que as pessoas que nao passam pela infertilidade acham que é tudo coisa da cabeça dos casais ou entao falta de praticar!! Na minha altura muita gentinha dessa me dizia muita coisa, cheguei a um ponto que ja nem ligava ou entao respondia tordo! Vais ver que deixam dde ter conversas parvas dessas!!
Beijocas amiga

Carla disse...

Respondeste à altura. Existem pessoas que não sabem realmente ocupar o lugar delas.
Vim ter ao teu blog a partir da APFertilidade e se me premitires virei cá mais vezes.
Beijos com muita esperança,
Carla